Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

25 de dezembro: Bondade e utilidade de Cristo ao nascer [*]

25 de dezembro
 
I.             Manifestou-se a bondade de Deus nosso Salvador e o seu amor pelos homens. (Tt 3, 4)
 
Nosso Senhor nos prova sua bondade pela comunicação de sua divindade; e sua misericórdia, tomando nossa humanidade.

[1] Manifestou-se a bondade. Comentando estas palavras, diz Bernardo: “Manifestou-se o poder de Deus na criação das coisas; sua sabedoria, no governo das mesmas; sua bondade, porém, manifesta-se, sobretudo, na humanidade. Porque é uma grande prova de bondade unir o nome de Deus à humanidade ”
 
[2] Não pelas obras de justiça que tivéssemos feito, mas por sua misericórdia, salvou-nos. Diz Bernardo: “Que prova maior da sua misericórdia que o ter tomado a mesma miséria? Que prova maior de piedade do que ter-se feito palha o Verbo de Deus por causa de nós? Por isso que canta a Igreja: Cristo, de todos Redentor, Filho único do Pai.
 
II.           Nosso Senhor também nos é útil. Escreve Isaías (9, 6): um menino nasceu para nós. Isto é, para nossa utilidade. Ora, são quatro as utilidades da natividade de Cristo, que podemos tomar das quatro condições dos meninos: pureza, humildade, amabilidade e mansidão, que de modo excelentíssimo se verificam em Jesus menino.
 
Primeiro, encontramos nele a suma pureza, pois é resplendor da luz eterna, o espelho sem mácula (Sb 7, 26). Esta pureza se manifesta na conceição e no parto virginal. Pois o incorrupto não pode gerar o corrupto. Donde o dizer Alcuíno: “O Criador dos homens, para fazer-se homem e nascer de homem, elegeu mãe tal que soubesse convir e agradar-lhe. Quis, pois, que fosse virgem, para nascer sem mancha de mãe imaculada, e purificar a mancha de todos”   
 
Segundo, encontramos neste menino a suma humildade: aniquilou-se a si mesmo (Fl 2, 7); a qual manifesta-se, como diz Bernardo, no estábulo em que nasceu, nos panos que o envolvem, na creche em que repousa.
 
Terceiro, encontramos neste menino a suma amabilidade, porque, conforme o salmista (44, 3), é o mais belo dos filhos dos homens, e mesmo das milícias celestes. Esta amabilidade é o resultado da união da divindade com a humanidade. Pela qual diz Bernardo: “É espetáculo de grande suavidade contemplar este homem que criou os homens.”
 
Enfim, encontramos neste menino a sua mansidão, pois ele é benigno e compassivo, paciente e de muita misericórdia (Jl 2, 13). E São Bernardo diz: “Cristo é pequenino, e pode ser aplacado suavemente. Quem ignora que o menino perdoa facilmente? E se não temos pecado grave, podemos ser reconciliados com pouco. Com pouco, porém não sem penitência”.
 
E assim como manifestou sua bondade para além de toda esperança, também podemos esperar, para além do que pensamos, semelhante benevolência de juízo.
 
(De Humanitate Christi)

AdaptiveThemes