Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Category: ComentáriosConteúdo sindicalizado

Coronavírus: Entre o medo e a audácia

Abril 4, 2020 escrito por admin

Dom Lourenço Fleichman OSB

Mais uma vez me vejo na obrigação de esclarecer nossa posição católica, diante de crises que se abatem sobre a nossa sociedade. Nosso mundo anda mergulhado no que lhe parece ser um grande sol a iluminá-lo, quando na verdade é apenas uma escravidão consentida e desejada. Sim, os tecnológicos homens desse mundo pós-moderno sabem, percebem sua incapacidade de fugir da compulsão das redes sociais, das massificantes notícias e informações, e sobretudo da sensação que tomou conta de todos, de serem livres como um passarinho a voejar entre galhos de árvores e fios elétricos. 

Poderíamos perguntar a nós mesmos o porquê dessa doença; creio que responderia que o homem busca companhia. Até certo ponto, convenhamos, essa busca é natural, visto a definição mais do que antiga feita pelo Filósofo, segundo a qual o homem é um animal político: vive na companhia dos seus semelhantes. Ora, como o mundo moderno desenhou no pé da mesa do computador (eu sei, eu sei, já não é mais no computador, é deitado na cama ou no sofá com o celular nos dedos, mas não atrapalhem, por favor, a minha história!)... então, retomemos: como o mundo moderno desenhou no pé da cama, ou da mesa, uma bola de ferro virtual, e disse ao ser debruçado na máquina: – veja, caro amigo, esta é uma bola de ferro virtual, nada mais “real” do que o virtual. Portanto, você está preso, velho escravo. Não se mexa, não saia daí.

O que foi o "petrolão"?

Outubro 15, 2022 escrito por admin

Alexandre Bastos

Graça Foster já havia, por duas vezes e sem sucesso, pedido demissão do cargo de presidente da Petrobrás quando todos os diretores e seus assistente se reuniram em São Paulo1, às dez da manhã do dia 27 de janeiro de 2014. Na pauta estava o fechamento do balanço: pela primeira vez nos seus 61 anos, a estatal atrasara a publicação dos resultados. Duas empresas independentes haviam sido contratadas para fazer a reavaliação dos ativos, e o estudo chegara à conclusão de que 31 ativos estavam superavaliados em nada mais, nada menos que R$88,6 bilhões (atualizado para os dias de hoje, o valor é ainda mais exorbitante: R$130 bilhões) 2. É muito dinheiro!

Miriam Belchior, ministra do Planejamento, mostrou-se resolutamente contrária à divulgação, e atacou a diretoria, dando início a um verdadeiro bate-boca. A reunião terminou com a decisão de o balanço ser divulgado sem a baixa dos ativos – a companhia alegaria não ter condições de quantificar com segurança os efeitos da corrupção. Graça Foster tornou a pedir demissão e, dessa vez, o seu pedido foi acatado.

Esse episódio está relatado no livro “Petrobras, uma história de orgulho e vergonha” da jornalista Roberta Paduan3 que, depois de dois anos de dedicação exclusiva ao estudo da empresa, pôde afirmar:

“Nunca um governo planejou e executou um plano tão amplo de uso da estatal como ocorreu durante os mandatos do presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff. Digo isso com a tranquilidade de quem não acreditou nessa tese antes de confrontá-la; de quem ajudou a eleger Luiz Inácio Lula da Silva para a presidência em 2002.”

O petrolão foi um caso superlativo de corrupção, tanto pela duração -- cerca de onze anos, ou quase todo o período do PT no poder -- quanto pelo valor altíssimo das somas desviadas. 

A cada contrato firmado, um percentual do valor recebido – geralmente 3% no caso da diretoria de Abastecimento – era desviado para os cofres de partidos políticos e executivos da estatal. E foram muitos contratos! A média anual de investimentos da petroleira, entre os anos 2003 e 2014, foi de R$76 bilhões (valores atualizados para 2015). O Partido dos Trabalhadores ficava com 2/3 das propinas, segundo o depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.

Tanto a presidência da companhia quanto o Palácio do Planalto tinham conhecimento da estrutura de distribuição e repasse de comissões dentro da estatal, segundo declarou Alberto Youssef. Perguntado sobre quem se referia ao mencionar o Palácio do Planato, o doleiro citou formalmente o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann, Antônio Palocci, José Dirceu, para só mencionar alguns nomes.4.

Um dos casos mais emblemáticos da corrupção foi o da compra da refinaria de Pasadena. Em 2006, uma empresa belga pagou US$42,5 milhões pela refinaria, então apelida de “ruivinha” pela quantidade de ferrugem em suas instalações. No ano seguinte, a empresa belga vendeu 50% da refinaria para a Petrobrás pela cifra de... US$359 milhões! Não parou por aí, pouco depois a estatal brasileira decidiu comprar o restante da refinaria por mais US$820 milhões. Investiu na sequência mais US$685 milhões em melhorias nas instalações... apenas para revendê-la cinco anos depois por US$ 180 milhões – um décimo dos valores dispendidos! No entanto, ninguém do Conselho de Administração – na época presidido pela Sra. Dilma Rousseff – jamais foi responsabilizado por esse verdadeiro crime contra o patrimônio público.

*

Completamente aparelhadas, quando não utilizadas para fins meramente políticos, as estatais, de modo geral, tiveram desempenho medíocre, quando não deficitário, no governo petista.

A Petrobrás, que chegou a ser a detentora de uma das maiores dívidas corporativas do mundo, apresentou prejuízo líquido de R$34,8 bilhões em 2015. Em 2021, ao contrário, deu R$106,7 bilhões de lucro.

Os Correios tiveram prejuízo de R$2,1 bilhões em 2015. No final do ano passado, lucro líquido de R$2,2 bilhões.

O BNDES viu seu lucro líquido saltar de R$6,2 bilhões em 2015, para R$34 bilhões em 2021.

O mesmo ocorreu com a Caixa Econômica, passando de R$7,2 bilhões em 2015 para R$ 17 bilhões em 2021.

O Banco do Brasil foi de R$11,5 bilhões em 2015 para R$ 19,7 bilhões em 2021.

Os resultados das estatais -- patrimônio do povo brasileiro -- são um reflexo da qualidade da administração pública. Com melhor governança e ausência de corrupção, os resultados melhoraram significativamente  (vide gráfico nesta página). 

  1. 1. A reunião não ocorria na sede do Rio de Janeiro por exigência do presidente do conselho da Estatal, Guido Mantega. Todos os diretores tinham de viajar para a capital paulista para atender a comodidade do ministro.
  2. 2. Ver matéria da época aqui: https://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2015/01/calculos-havia-apontado-perda-de-r-886-bilhoes-segundo-graca-foster.html
  3. 3. Petrobras, uma história de orgulho e vergonha, Roberta Padua, Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2016, pp. 324-326
  4. 4. Veja aqui: https://epocanegocios.globo.com/Informacao/Dilemas/noticia/2015/03/youss...

O Partido dos Trabalhadores e o "Foro de São Paulo"

Outubro 15, 2022 escrito por admin

Alexandre Bastos

 

O muro de Berlim caíra em novembro de 1989 e, dois anos depois, a União Soviética oficialmente terminava, dando início a um movimento de questionamentos e redefinições na esquerda mundial. Nesse cenário, os petistas pareciam trilhar dois caminhos opostos: moderação – para enganar os bobos, tendo em vista as necessidades eleitorais – e a reafirmação dos ideais socialistas. O PT parecia aqui seguir a máxima de Lenin: “Confundir o inimigo e o público: esta é a tarefa, enquanto se faz o que deve ser feito”

Foi assim que, no ano de 1990, com o intuito de “recuperar na América Latina o que se perdeu no Leste Europeu”, Lula e Fidel Castro convocaram conjuntamente um encontro com todos os partidos e organizações comunistas-socialistas da América Latina e do Caribe. Esse encontro viria a ocorrer no mês de julho de 1990 na cidade de São Paulo – daí o nome Foro de São Paulo – e se repetiria, anualmente, por mais de duas décadas em diversas cidades latino-americanas.

O primeiro encontro se encerrou com a declaração seguinte: “Neste marco, renovamos hoje nossos projetos de esquerda e socialistas.” Além de diversos partidos de esquerda, participaram do Foro diversas organizações revolucionárias, tais como o Túpac Amaru, o MIR, a Frente Sandinista de Liberación Nacional e as FARC – o PT procuraria posteriormente ocultar do grande público a participação das FARC no Foro de São Paulo, por seu envolvimento com o narcotráfico. O Partido Comunista Cubano, naturalmente, também era membro.

É importante dizer que não se tratava de um convescote de velhos idealistas, pois o Foro tinha caráter prático, deliberativo, tomando decisões que deveriam ser acatadas, assinadas e postas em prática por todos os membros permanentes do foro – esse é um ponto extremamente grave, pois implica em uma interferência direta na soberania nacional.

Alguma das deliberações levaram à criação das comissões da “Verdade, Reparação e Justiça”, implantadas inicialmente na Argentina e, em seguida, no Chile e no Brasil, com o objetivo de transformar terroristas em heróis, propiciando-lhes gordíssimas indenizações até os dias de hoje.

Outra deliberação visava a complementação e compensação das diferenças das economias da região. Em português claro, os países mais ricos deveriam ajudar os mais pobres. Pode-se aqui perguntar se esse pensamento não está na origem da conivente passividade do governo brasileiro frente à expropriação da Petrobrás na Bolívia pelo presidente cocaleiro Evo Morales, ou na revisão antecipada e injustificada da tarifa paga pelo Brasil ao Paraguai pela energia de Itaipú, onerando o Brasil em 240 milhões de dólares ao ano desde 20111.

Também podemos mencionar os empréstimos bilionários, em condições diferenciadas e sem qualquer lastro, às ditaduras de Cuba e da Venezuela – que evidentemente não tinham condição de quitar a dívida. Esses países estão hoje inadimplentes e devem cerca de R$ 4 bilhões ao BNDES2.  

Até hoje, ninguém foi responsabilizado por essas “tenebrosas transações”, que não passavam de artifícios para a transferência do patrimônio brasileiro para o exterior.

Outras deliberações do Foro englobavam desde o apoio a pautas feministas até o posicionamento comum em face de questões geopolíticas. No entanto, nem tudo que era discutido e decidido é conhecido pelo grande público, sendo reservado ao núcleo duro da organização.

Quem financiava o Foro de São Paulo? Segundo Graça Salgueiro, estudiosa do tema:

“Deve-se considerar como financiadores da organização, o que envolve Encontros, reuniões do Grupo de Trabalho que ocorrem em vários países quatro vezes ao ano, participações como observadores de eleições nos países membros etc, o próprio PT (hoje sabemos das ações bilionárias que estão em curso nas operações conjuntas do Ministério Público e Polícia Federal e que muito raramente são para proveito próprio), as FARC, os petro-dólares venezuelanos – da época de Chávez porque hoje a Venezuela está falida – e do mega-investidor George Soros, através de incontáveis ONG que pertencem e participam dos eventos.”

  1. 1. Para a questão envolvendo a Usina de Itaipú: https://www.jornalopcao.com.br/colunas-e-blogs/contraponto/golpe-do-paraguai-em-itaipu-com-ajuda-do-pt-gerou-prejuizo-de-2-bilhoes-de-dolares-pro-brasil-311452/
  2. 2. Sobre a questão dos empréstimos: https://veja.abril.com.br/coluna/maquiavel/o-tamanho-do-calote-de-venezuela-e-cuba-no-bndes-dos-tempos-do-pt/

O que foi o "mensalão"?

Outubro 15, 2022 escrito por admin

Alexandre Bastos

O ano de 2005 foi bastante complicado para o partido dos trabalhadores. Denúncias de corrupção se sucediam, dando início a um fogo amigo: PSOL e PSTU atacavam o partido na imprensa e em manifestações de rua. A grande mídia era implacável: de junho a setembro daquele ano, a revista Veja publicou quase vinte números com denúncias explícitas ao PT na capa! A militância sentia o golpe: “Ser acusado de terrorista causa raiva; ser acusado de corrupto, vergonha. Envergonhados ficaram não só os militantes, mas os dirigentes”, escreveu Lincoln Secco na sua “História do PT”.

Em poucos meses, toda a cúpula do PT caía: o tesoureiro, o secretário-geral e o presidente do partido – todos por denúncia de corrupção. No caso de José Genuíno, o seu irmão fora flagrado no aeroporto com R$200 mil em uma valise e US$100 mil dólares na cueca.

Caíam em seguida José Dirceu, Ministro da Casa Civil – “sai daí, Zé”, reclamara publicamente Roberto Jefferson numa audiência memorável – e Antônio Palocci, da Economia. O Ministro fora acusado por um caseiro de distribuir malas de dinheiro e organizar festas com prostitutas.    

A prisão de Palocci só viria anos depois, no âmbito da Lava Jato. O ex-ministro foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro em um esquema envolvendo R$200 milhões do Grupo Odebrecht para o Partido dos Trabalhadores

Foi ainda naquele ano que estourou o escândalo da Gamecorp: a empresa do filho do presidente, um monitor de zoológico, recebera a soma inexplicável de R$5 milhões da Telemar!

Nada disso, porém, foi páreo para o escândalo do Mensalão, descrito na época pela Procuradoria Geral da República como “o mais atrevido e escandaloso caso de corrupção, de desvio de dinheiro público flagrado no Brasil”.

O Mensalão foi um esquema envolvendo não apenas o financiamento de campanhas petistas, mas a compra no varejo de votos de parlamentares visando a aprovação de leis do interesse do governo. Em poucas palavras, tratava-se de um atentado contra a própria democracia!

“Estamos a tratar de uma grande organização criminosa que se constituiu à sombra do poder fomentando medidas ilícitas que tinham por finalidade a realização de um projeto de poder”, declarou na época o Ministro Celso de Mello.

O Ministro do Supremo Ayres Britto, por sua vez, declarou sem meias palavras tratar-se de um “golpe”. E o historiador Marco Antônio Villa definiu o mensalão como “uma verdadeira tentativa de tomada de Estado”.

O esquema comportava três núcleos: o financeiro (composto por empresas públicas e privadas), o operacional (composto por empresas de publicidade) e o político (deputados e membros do Planalto). Por meio de empréstimos simulados, uns R$350 milhões (em valores atualizados) foram distribuídos diretamente a políticos nas vésperas de votações importantes para o governo.  

Na ocasião, o senador Arthur Virgílio fez um violento ataque ao presidente da República, que afirmava desconhecer o esquema que lhe beneficiava diretamente:

“Vamos acabar também com essa história de que o sr. Lula não sabe de nada. Até o meu filho de dez anos sabe! Ou ele é um completo idiota, ou o sr. Lula sabe de toda a corrupção que se passou debaixo do seu nariz”. E continuava: “Na melhor das hipóteses, sr. Lula, o senhor é um idiota! Na melhor das hipóteses! Na pior, o senhor é um corrupto!”

O presidente não foi denunciado pela Procuradoria Geral da República. No entanto, Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson, declarou o seguinte, perante a Suprema Corte:

“Se o presidente da República só poder ser julgado pelo STF, peço que esse tribunal cumpra a lei e que o procurador chame o presidente Lula para esta Corte, porque ele é o mandante de todo esse crime.”

Marcos Valério, por sua vez, declararia: “Não podem condenar só os mequetrefes. Só não sobrou para o Lula porque eu, o Delúbio [Soares] e o Zé [Dirceu] não falamos”.

*

Pela proximidade das eleições, a oposição tem procurado comparar as “Emendas do Relator” (RP-9), erroneamente chamadas de “orçamento secreto” – visto que se sabe quanto e onde o dinheiro empenhado será gasto – ao “Mensalão”, o que é pura delinquência intelectual. Vejamos:

- O mensalão era um esquema criminoso promovido pelo executivo, pelo qual dinheiro sujo era usado para a compra de voto.

- As “emendas de relator” não são ilegais e foram promovidas pelo legislativo (contaram, inclusive, com o apoio de partidos de esquerda para derrubar o veto do presidente, o PT inclusive).

Assim também, Lula tem procurado equiparar as “pedaladas” de Dilma às “motociatas” de Bolsonaro, como se a presidente tivesse sofrido o impeachment por andar de bicicleta!

Entrevista com Sua Excelência, Monsenhor Bernard Fellay, acerca da recente Consagração da Rússia

Maio 20, 2022 escrito por admin

08 de Abril de 2022.
Sete Dores de Nossa Senhora
 
Queridos amigos e benfeitores,
 
Nessa festa de Nossa Senhora, teremos dois novos subdiáconos, e 21 homens receberão as ordens menores. As ordenações sacerdotais acontecerão no dia 17 de junho, quando seis homens serão ordenados ao sacerdócio, e dois ordenados ao diaconato. Por favor, rezem por eles. À medida que o mundo se afasta cada vez mais de Deus, a necessidade urgente dos homens de Deus aumenta. Esperamos que muitos de vocês possam comparecer para os encorajar nesse momento em que eles são enviados à messe.
 
A festa da Anunciação este ano trouxe o grande dom da consagração da Rússia pelo papa em união com os bispos, padres e fiéis de todo o mundo. No Seminário, tivemos a bênção de ter Sua Excelência, Dom Bernard Fellay, conduzindo a comunidade do seminário nessa consagração. Antes dela, Sua Excelência bondosamente ofereceu uma entrevista falando da devoção ao Imaculado Coração de Maria e a Consagração da Rússia. O texto segue abaixo.
 
Que Deus lhes dê uma linda Páscoa como recompensa de manter Sua Paixão próximo de seus corações durante esta quaresma.
 
In Christo Sacerdote et Maria,
Pe. Yves le Roux.
 
 
Entrevista com Sua Excelência, Dom Bernard Fellay
O que o Sr. pensa sobre a consagração de hoje da Rússia e da Ucrânia pelo Santo Padre?
Houve várias consagrações que não atenderam aos requisitos. Desta vez, incluiu-se uma consagração da humanidade inteira, mas a Rússia foi citada. Não me preocupo muito com a menção à Ucrânia, porque, na História, a Ucrânia foi o começo da Rússia: aquilo que chamamos de "Rus" começou ali, ela era parte da Rússia. A Santíssima Virgem Maria pediu [essa consagração] ao papa e aos bispos, de modo que isso cabe a ele, não a nós, não queremos tomar o lugar dele. Certamente, nos uniremos às intenções da Santíssima Virgem Maria e, na medida em que o Santo Padre as estiver atendendo, daremos graças a Deus. Ainda assim, o texto é tão pobre, que Menzingen preparou outro texto. Nós não fomos convidados como os outros bispos, no entanto, nós nos unimos [a eles]. E nos alegramos, porque parece que será a primeira vez que chegaremos bem próximos do que a Santíssima Virgem Maria pediu.
 
Qual o papel do Imaculado Coração de Maria na Igreja e no mundo hoje, especialmente à luz da consagração?
A Santíssima Virgem Maria, em Fátima, explica: "Meu Filho quer estabelecer a devoção ao meu Imaculado Coração"; isso é Fátima, isso é a chave de tudo, de todos os acontecimentos históricos.
 
Temos esse episódio no plano global de Deus, temos a História da Rússia, e, ali, a Santíssima Virgem, mais uma vez, disse que quer esse país consagrado a ela; mas, nessa consagração, há dois aspectos. O primeiro é que o Papa, como cabeça da Igreja, deve consagrar a ela esse país; o segundo está encerrado nessas palavras: "se o mundo não se converter..."; aqui entramos no problema do pecado, que também está relacionado com o Imaculado Coração. O mundo está pecando, ofendendo a Deus insistentemente. Deus ofereceu ao mundo um meio de salvação, um meio de fugir do pecado... esse meio é a devoção ao Imaculado Coração de Maria.
 
Se o mundo não se converter -- é o que diz Nossa Senhora -- então haverá outra guerra. Nesse mesmo sentido, ela diz que Deus confiou a ela a paz das nações, que a paz foi colocada em suas mãos; se quisermos a paz, devemos recorrer a ela. Mas também temos de nos comportar adequadamente perante Deus. Ela que anunciou o fim da Primeira Guerra Mundial também anunciou que haveria uma segunda guerra. As datas do fim dessas guerras são datas marianas. É muito claro, ela é a rainha e detém em suas mãos, em nome de Deus, a paz deste mundo. Dentro dessa perspectiva, a consagração é boa, ela pediu isso.
 
Não basta dizer que não queremos a guerra. "Se vocês não querem a guerra, então não pequem!" É isso que precisa ser dito a este mundo. Convertam-se! Parem de pecar, e assim teremos a paz. Recorram ao Imaculado Coração! 
 
Na consagração inteira, não se faz menção ao Imaculado Coração de Maria, apenas naquele momento específico em que realizamos a consagração propriamente dita. No texto inteiro, nas duas páginas, não há nada além disso sobre o Imaculado Coração, nada sobre o pecado. Ainda assim, estamos pedindo isso por anos a fio, suplicamos a Deus para que essa consagração acontecesse. Portanto, nós nos alegramos, nós nos alegramos de todo nosso coração, nós nos unimos a esse ato de consagração. A promessa não está explícita no texto do papa: a Rússia se converterá. E converter-se significa converter-se, significa tornar-se católico. Além disso, a paz será dada à Igreja.
 
Consideramos a situação da Igreja hoje, e não sabemos como [essa conversão] acontecerá, não temos resposta para isso, mas sabemos que tudo está nas mãos de Deus. Será que, após essa consagração, teremos de atravessar um tempo ruim antes do Triunfo? Não excluo essa possibilidade, mas ela prometeu. E sabemos que, todas as vezes que os papas fizeram algo, ainda que não fosse de modo perfeito, houve uma resposta do Céu. Todas as vezes, algo de bom aconteceu.
 
É de se esperar que o Triunfo será imediato?
Eu gostaria de poder dizer que sim, mas isso está nas mãos de Deus, na misericórdia de Deus. Mas já será uma misericórdia inacreditável se Deus poupar o mundo daquilo que merecemos. Talvez sim, mas as almas precisam voltar para Deus. E, quando olhamos, principalmente para o Ocidente, que agora está pior que o Oriente... Eles se afastaram de Deus.
 
Nosso Senhor disse que quer que seja claro que a conversão da Rússia se dará por meio do Imaculado Coração de Maria. O Sr. acredita que veremos essa conexão nessa consagração?
Absolutamente, haverá uma conexão, é preciso haver essa conexão. Esperemos que essa consagração seja correta. Se for, a conexão entre os fatos estará clara. Terá de estar, porque, com os fatos, as pessoas recorrerão a Maria. Não é certo que essa seja a consagração correta, mas, se for, sentiremos os efeitos. Ainda falando do futuro, não podemos brincar de profetas, porque o futuro realmente está nas mãos de Deus. Às vezes, Deus ama os tempos difíceis, porque extrairá algo bom deles. Temos vários exemplos disso. Lembre-se da história de José do Egito: ele foi vendido por seus irmãos, porém, graças a isso, José salvou toda a tribo de Israel. Algumas coisas não compreendemos agora, mas, mais tarde, diremos "sim, agora eu entendo".
 
Devemos depositar uma enorme confiança em Deus. Devemos tomar o lado do Céu, do Imaculado Coração.

O grande abismo dos conservadores

Junho 13, 2021 escrito por admin

O pontificado do Papa Francisco tem assistido ao número de “conservadores” aumentar incessantemente

 

Deve-se compreender que “conservadores” são definidos, aqui, como católicos que não estão dispostos a vender a fé católica, que esperam uma renovação ou um reflorescimento da Igreja neste mundo secularizado e que estão, sinceramente, ansiosos para ver o Corpo Místico voltar a fruir, a expandir-se através de novas conversões. Em outras palavras, aqueles que têm mantido o espírito católico.

Mas, ao mesmo tempo, esses conservadores querem seguir todas as reformas operadas pelo Concílio Vaticano II. Algo que parecia possível a eles com alguns contorcionismos... Até a chegada o Papa Francisco.

Porém, desde o começo deste pontificado, e de maneira particular em certas ocasiões – como os dois Sínodos sobre a família, a exortação pós-sinodal Amoris Laetitia, o Sínodo da Amazônia e, especialmente, seu instrumentum laboris, ou, ainda, o Documento sobre a Fraternidade Humana – os conservadores têm se sentido cada vez mais desconfortáveis.

Isso se manifesta através de protestos cada vez mais frequentes, cujas origens estavam situados cada vez mais alto na hierarquia eclesiástica: protesto contra Amoris Laetitia por várias petições, incluindo a famosa correctio filialis, bem como as cartas dubia de quatro Cardeais; ataques frequentes contra documentos romanos ou atos de Eminências como os Cardeais Müller, Brandmüller, Burke ou Zen, bem como por Bispos.

Esse desafio é uma novidade. Quase não havia algum traço dele até 2013 e a chegada do atual Soberano Pontífice ao Trono de Pedro. Portanto, há uma clara conexão entre as duas coisas. E devemos acrescentar que essa contradição, às vezes, assume formas graves entre vários Cardeais e Bispos.

Tudo isso é um sinal de inquietação crescente entre os “conservadores” tais quais definidos acima. Uma ilustração possível apta a descrever a situação: um homem cujos pés estão situados sobre duas pedras diferentes, equilibrando-se acima de um vão. Devido a movimentos tectônicos, as duas pedras estão começando a se afastar uma da outra. A situação já quase chegou ao ponto em que a distância entre ambas está grande demais.

Só há três soluções para essa situação: perder o equilíbrio e cair; tomar refúgio na pedra da direita; ou aderir à pedra da esquerda. Nada é mais desconfortável que esse tipo de posição.

Infelizmente, os conservadores obstinados ainda querem crer que as pedras vão unir-se um dia e que eles não precisarão fazer uma escolha. Claro, isso é uma possibilidade, se olharmos para o plano meramente físico. Uma força contrária poderia aproximar as duas pedras.

Mas, no plano das ideias, e, especialmente, no plano da Teologia, a história é completamente diferente. Não há a menor possibilidade do erro aproximar-se da verdade, ou vice-versa. Pretender manter-se fiel a ambos ao mesmo tempo seria uma distorção da inteligência. E, se o sujeito possuir um mínimo de integridade intelectual, a violência da divisão parecerá cada vez mais intolerável.

De fato, desde o Concílio, a distância apenas aumentou entre os erros modernos e a Tradição da Igreja, com mais ou menos intensidade de acordo com a personalidade dos Papas que se sucederam na cátedra de Pedro. E, é claro, deve-se reconhecer que essa distância tem aumentado consideravelmente desde 2013.

A vantagem dessa situação é que podemos mostrar, com maior clareza, as posições “tradicionalistas”, que desafiaram o Concílio desde que ele ocorreu, baseadas em fundações sólidas. E, gostem eles ou não, a linha conservadora está começando a ser forçada a reconhecer isso.

Além disso, e talvez ainda mais doloroso de se reconhecer: sem essa firmeza doutrinal, os conservadores, há muito tempo, já teriam perdido uma das pedras sobre a qual um de seus pés se situa e teriam sido forçados a adotar uma linha apenas. Porque, se certos pilares ainda estão de pé – se, por exemplo, a Missa tradicional ainda pode ser celebrada hoje com alguma liberdade – isso se deve à tenacidade e firmeza daqueles que se recusaram a compactuar com o erro.

Portanto, é profundamente inconsistente declarar e repetir que essa tenacidade assemelha-se a uma obstinação desarrazoada ou a uma teimosa desobediência.

E tão inconsistente quanto isso seria, como é feito por vários conservadores que temem ser tachado de extremistas, relegar como “marginais fora da Igreja”, com um aceno de mão ou um estalar de dedos, aqueles que guardam a Tradição sem fazer concessões.

Só há uma maneira verdadeiramente eficiente e intelectualmente satisfatória de sair dessa posição tão decepcionante e desagradável: com honestidade, tomar um lado e declarar-se por Jesus Cristo incondicionalmente. Desse modo, eles poderão prestar um enorme serviço à Igreja, e isso é o que importa.

Não são petições e pedidos de explicações que farão as coisas progredirem, mas a profissão pública da fé, acompanhada dos atos que devem se seguir a ela.

Com o cisma alemão em processo de consumação, e a preocupação crescente com os fundamentos básicos da vida moral, a defesa integral da fé torna-se cada vez mais urgente. Em breve, não haverá sequer espaço para colocar um pé na pedra do Concílio.

 

(traduzido da versão em inglês, disponível em: https://fsspx.news/en/news-events/news/conservatives-straddling-gap-66694)

A Missa é um freio ao globalismo

Dezembro 26, 2020 escrito por admin

Pe. Xavier Beauvais, FSSPX

 

Durante este encarceramento a que estamos em vias de nos submeter, vimos surgir um grande furor contra a Missa nas nossas capelas e igrejas.

É certo que, golpeando-se a Missa, a Igreja é enfraquecida. Nós já o vimos em 1969, com o novo rito de Paulo VI. Para que a Igreja vacile no tocante ao dogma e à disciplina, é preciso combater a Missa. Esse era (e ainda é) um dos melhores meios de evacuar e substituir, pouco a pouco, a moral católica, os usos e costumes da catolicidade.

O governo francês atual sabe muito bem disso quando nos impede de celebrar a Missa.

Sabemos que o alinhamento dos costumes de todo o mundo à ética maçônica está o coração do globalismo em marcha. Todo freio – e a Missa é um freio – todo obstáculo a esse projeto deve ser tiranicamente suprimido. O principal adversário do globalismo é a renovação do Sacrifício da Cruz, pois sabemos que a Missa é o remédio individual, social e político ao vírus e aos males dos tempos modernos.

Em face da liberdade desenfreada, ela clama ao dom de si.

Em face da igualdade absoluta, apela ao senso de hierarquia.

Em face da fraternidade fundada sobre o homem, lembra da caridade, ou seja, do amor na verdade que os homens devem uns aos outros, em nome de Deus.

Toda a ordem da civilização repousa sobre o altar, eis o porquê de ser preciso lutar sem cessar pelo tesouro oferecido por Nosso Senhor e gritar: “Devolvam-nos a Missa”.

É justamente nesse espírito que o Pe. Davide Pagliarani, superior geral da Fraternidade São Pio X, lançou no dia 21 de novembro um apelo enérgico a uma cruzada de orações até a Quinta-Feira Santa, 1º. de abril de 2021.

Unamos nossas forças para obter do céu a liberdade incondicional de rezar publicamente e de assistir à Missa». A Santa Missa é o bem mais querido para nós. Assim, ela precisa ser rezada de novo com total liberdade: ela contém a solução a todos os males, a todas as doenças, a todos os temores (...)

Ficaremos então insensíveis à situação atual? « Todo aquele que pede recebe, e a quem bate abrir-se-á » (Mt 7, 8), promete-nos Nosso Senhor. Façamos nossa parte: as graças são obtidas somente se pedimos com insistência.

Caros amigos, eu vos convido a todos, adultos e crianças, leigos e pessoas consagradas, e vos suplico de se juntarem a esta cruzada de oração pelas Missas e pelas Vocações. Os cruzados partiam para libertar o túmulo de Nosso Senhor Jesus Cristo; partamos então para libertar o tesouro de Cristo Rei, seu testamento de amor! (...)

Quem liderará esta cruzada? Aquela que permaneceu de pé aos pés da Cruz.” Dessa cruz que venceu o mundo, o vírus do pecado.

A Missa é a renovação do sacrifício da Cruz, e compreende-se que, se a Cruz venceu o mundo, ela é para nós o mais eficaz dos meios de redenção, de salvação e, para nossos inimigos, o maior obstáculo ao seu designo perverso.

A assistência a Missa que consiste na imolação interior a Jesus Cristo, a fim de unir-se e de associar-se a Ele no oferecimento do Sacrifício, é a função mais alta do caráter batismal. A Santa Missa é a ação católica por excelência, aquela que atua, renova, intensifica nosso pertencimento à Santa Igreja, e que dá testemunho disso.

A Missa é também a fonte de toda santidade, o meio privilegiado de entreter e desenvolver a vida de Cristo Jesus em nós.

Uma vez que o fundamento da nossa santidade consiste em render a Deus o culto que lhe é devido, sabemos que o centro do culto perfeito que podemos prestar a Deus é a Santa Missa.

Toda a nossa vida espiritual e toda a nossa religião são e devem ser marcadas por essa oblação interna de nós mesmos que é devida a Deus como Criador e Senhor.

Essa oblação deve ser manifestada de modo externo e sensível.

O primeiro e o supremo dever do homem é dar-se inteiramente a Deus e colocar-se exclusivamente sob sua dependência.

Compreende-se por que o laicismo quer a morte da Santa Missa. Daí esses abusos de poder dos governos que querem nos interditar a Missa com a assistência das nossas igrejas.

Há aí uma ingerência inadmissível do Estado sobre a Igreja ao impedir os fiéis de cumprirem um dos mandamentos dessa mesma Igreja.

O que o exercício do culto tem a ver com o Estado, desde o momento em que este último pretende ser laico, neutro?

A exclusão pura e simples dos fiéis das Missas nesse período de encarceramento, para lutar contra uma pandemia organizada, é também o apogeu da crescente incapacidade da igreja conciliar de pesar de modo eficaz nos debates das nações.

Nós nos voltamos para a Santíssima Virgem, de pé aos pés da Cruz; é ela que invocamos pois no final o seu Coração Imaculado triunfará.

Batinas e uniformes

Novembro 21, 2020 escrito por admin

Rafael Gambra

 

Não se vê mais batinas ou uniformes nas ruas, nem padres ou soldados. Todos usam roupas civis, "seculares" em linguagem eclesiástica ou "paisano" em linguagem militar.

Recordo na minha infância distante, a impressão paternal e venerável que a figura do Padre causava nas crianças. Era comum ir beijar sua mão, ao que ele muitas vezes respondia com uma bênção ou com um santinho ou uma pequena medalha de alumínio.

À medida que o padre e o soldado desaparecem do horizonte visual, é muito difícil nascerem autênticas vocações religiosas e militares, porque ninguém anseia pelo que não vê. Hoje, um jovem de 15 anos, pode nunca ter visto uma parada militar em sua vida: para ele, "o serviço militar" nada mais é do que um período absurdo de reclusão.

E o triste é que padres e soldados tiraram seus respectivos hábitos por falhas ou pecados mais incompatíveis ou vexatórios para sua profissão: covardia — vamos chamar de precaução — nos militares, impiedade — vamos chamar de segurança — no clérigo. Deixemos o militar com suas motivações para nos fixarmos nas do eclesiástico.

O sacerdote antes do Concílio Vaticano II, geralmente, sentia amor e um orgulho legítimo pela batina de Cristo, que manifestava sua sagrada dignidade e os poderes sacramentais. Vestido com a batina ou com o hábito, não importava a boa ou a má presença do clérigo, pois a qualidade ou a pobreza da vestimenta era indiferente: para todos era sacerdote, objeto de veneração para muitos, convite à fé para todos.

Uma vez que a batina ou hábito foi removido, a imagem do padre desaparece. Em seu lugar, pode parecer um senhor elegante, em outros, um operário de construção ou um caminhoneiro; aqueles que vestem clergyman cinza, parecem a imagem de um condenado, faltando apenas o número de identificação na gola, e os mais discretos, que vestem preto, dão a impressão de serem um pastor protestante. Em todo caso, desapareceu a imagem do Padre católico e, com ela, os sentimentos que ele inspirava. Porque “o que os olhos não veem, o coração não sente”.

Um Padre madrilenho, que nunca tirava a batina, contou-me que certa vez um jovem se aproximou de seu confessionário e se apresentou como sacerdote. Ele se confessou, e o Padre disse-lhe: "Diga-me, meu filho, você acha que tudo isso teria acontecido consigo se estivesse de batina?" É frequente alegar para justificar a deserção da batina que "o hábito não faz o monge". Expressão muito antiga que se utiliza nesses casos no sentido exatamente oposto ao que tinha em sua origem. Seu verdadeiro sentido era dizer ao frade que tomou o hábito, que aquilo não basta, que ele deve tornar-se um bom frade por dentro, vencendo as paixões, adquirindo as virtudes. Foi uma expressão de exigência, nunca de frouxidão ou desprezo pelo hábito como é usado hoje.

Nunca se conhecerá a relação de causa-efeito que mediou a eliminação da batina e a grande deserção dos clérigos nos anos 60-70, o florescimento dos padres-políticos abertzales1 aqui e dos padres guerrilheiros na América Central, etc. Creio que aquela simples autorização de tirar a batina prejudicou mais o estado eclesiástico do que todo o Concílio Vaticano II com seus erros e ambiguidades.

 

Fraternidade São Pio X, Madrid, Junho de 2002.

  1. 1. Abertzales é o nome que designa os nacionalistas radicais vascos [N. da P.]

Pandemia, Igreja e Estado

Maio 26, 2020 escrito por admin

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

“É por isso que, do mesmo modo que a ninguém é lícito descurar seus deveres para com Deus, e que o maior de todos os deveres é abraçar de espírito e de coração a religião, não aquela que cada um prefere, mas aquela que Deus prescreveu e que provas certas e indubitáveis estabelecem como a única verdadeira entre todas, assim também as sociedades não podem sem crime comportar-se como se Deus absolutamente não existisse, ou prescindir da religião como estranha e inútil, ou admitir uma indiferentemente, segundo seu beneplácito.” (1) .

1 – Essas fortes palavras do Papa Leão XIII não são a expressão de uma visão retrógrada, pois o Vigário de Cristo designa o próprio princípio da ordem social cristã, ordem necessária para uma expressão da sabedoria divina. O Cardeal Billot deu a justificação teológica para isso na segunda parte de seu Tratado sobre a Igreja (2).

2 – Essa ordem encontra sua profunda raiz na própria natureza do homem e em sua elevação gratuita a uma ordem sobrenatural. Os bens exteriores ao homem (as riquezas) são ordenados ao seu bem-estar corporal e o bem-estar corporal do homem é ordenado ao seu bem-estar espiritual natural, ou seja, ao bem natural de sua alma, e este bem natural da alma está, de alguma forma, ordenado ao fim último sobrenatural, à união sobrenatural do homem com Deus, pela qual a Igreja é responsável. É nessa medida exata em que o bem natural da alma é a condição necessária, embora não suficiente, do bem sobrenatural, uma vez que a graça pressupõe a natureza. Essa hierarquia de bens resulta na hierarquia dos poderes que cabe a eles adquirir (3).

3 – O poder do Estado tem (entre outros) em sua ordem própria, preservar a saúde pública (que é o bem do corpo) e de neutralizar para isso os efeitos nocivos de uma doença contagiosa. O poder da Igreja tem por fim, em sua ordem própria, assegurar o exercício do culto devido a Deus e determinar para isso, por meio de preceito, as condições concretas da santificação do domingo. Por serem distintas, cada um em sua própria ordem, o poder do Estado e o poder da Igreja não devem estar separados (4), porque o bem que cabe ao Estado não é, de fato, um fim último; ele mesmo é ordenado ao fim de ordem sobrenatural. Santo Tomás explica isso muito claramente no De Regimine, livro I, capítulo XV: “É o Papa quem cuida do fim último, a quem deve estar sujeito aqueles que cuidam dos fins intermediários, e é por suas ordens que eles devem ser direcionados”. (N ° 819). O Papa, portanto, exerce um poder “arquitetônico” em relação aos chefes de Estado e essa expressão significa que o Papa é responsável pelo fim último, segundo o qual os chefes de Estado são obrigados a organizar todo o governo da sociedade.

4 – A saúde, que é um dos principais aspectos do bem-estar corporal do homem, nada tem a ver com a santidade, pois é ordenada de alguma maneira ao exercício do culto e à santificação do domingo. Com efeito, mesmo que não seja necessário ter uma boa saúde para ser um santo e mesmo que alguém possa ser um santo sem ter uma boa saúde, normalmente, para poder ir à missa no domingo, um dos pré-requisitos é ter uma boa saúde. O papel do Estado é, portanto, preservar a saúde pública (e neutralizar uma epidemia) para assim oferecer a melhor condição para o exercício do culto, pelo qual a Igreja é responsável, e tornar ordinariamente possível a santidade. O Papa Leão XIII diz, com efeito, que “em uma sociedade de homens, a liberdade digna do nome consiste em que, com o auxilio das leis civis, possamos viver mais facilmente segundo as prescrições da lei eterna” (5). O Estado está, portanto, nessa questão, como em qualquer outra, na dependência da Igreja e subordinado a ela na medida exata em que seu papel é colocar o bem temporal, pelo qual é responsável, a serviço do bem eterno, cujo o Igreja é responsável. “O temporal“, diz Billot, “deve garantir que não haja impedimento à realização do espiritual e deve estabelecer indultos sob as quais pode ser obtido em completa liberdade“. E ele acrescenta que o fim temporal “não deve colocar nenhum obstáculo ao fim espiritual, e, se ele vir a se opor, deve favorecer o espiritual, mesmo à custa de seu próprio detrimento”(6). Palavras surpreendentes aos olhos da razão, mas palavras verdadeiras aos olhos da razão iluminada pela fé. Porque “é melhor entrar com um olho na vida eterna do que ser lançado com dois olhos no fogo do inferno”(7) .

5 – Conseqüentemente, proibir ou limitar o culto para neutralizar uma epidemia seria, por parte do poder do Estado, não é apenas ilegítimo (pelo abuso de seu poder temporal que não pode, como tal, incidir sobre o exercício do culto) mas mesmo absurdo, uma vez que a neutralização da epidemia deve, em última análise, ter o objetivo de promover o exercício do culto. A menos que suponhamos que a inversão radical de fins e de substituir a desordem pela ordem: em vez de ordenar a saúde (com a neutralização da epidemia) ao exercício do culto, seria o exercício do culto (com suas restrições e proibições) que seria ordenadas à saúde. Infelizmente, é isso que vemos nas circunstâncias atuais e que justifica a recente observação de Mons. Schneider: “Os homens da Igreja dão mais importância ao corpo mortal do que à alma imortal dos homens.”(8). Isto se explica pela radical inversão introduzida pelo Concílio Vaticano II: não é mais o Estado subordinado à Igreja e ao serviço dela, é a Igreja que se tornou dependente de estados.

6 – Pode acontecer que, sob um plano de contingência, que é uma circunstância concreta, não seja possível fornecer saúde pública suficiente e neutralizar o contágio de uma doença, de modo a possibilitar o exercício do culto, de maneira ordinária. Cabe então à autoridade eclesiástica – e somente a ela – determinar a forma particular do exercício do culto exigido pelas circunstâncias e torná-lo possível contando com o braço secular. O Estado poderia assim, por exemplo, disponibilizar à Igreja espaços suficientemente grandes, onde os fiéis pudessem assistir a uma missa enquanto permanecessem confinados em seus veículos. Na pior das hipóteses, a Igreja poderia dispensar seus fiéis da assistência na Missa e novamente contar com recursos, técnicos e financeiros, que o Estado disponibilizasse para difundir, massivamente aos lares, transmissões televisivas da Missa. As situações e soluções podem ser muito diversas; mas, em todo caso, a Igreja tem o poder necessário para decidir as condições sob as quais a ordem total deve ser estabelecida, ordem total segundo a qual o exercício do culto é um bem superior ao qual deve ser ordenado o bem da saúde pública. Não cabe ao Estado proibir ou restringir a celebração do culto em nome da saúde. Cabe à Igreja decidir sobre as condições para a celebração do culto, levando em consideração as circunstâncias, reivindicando, como tem o dever e o poder, o apoio e a assistência do poder temporal. 

7 – Essa hierarquização de poderes, necessária e natural, teve seus efeitos amplamente sentidos nos cantões católicos da Suíça no início do século XX. Mesmo após as grandes revoltas que minaram a ordem social cristã em toda a Europa, as autoridades políticas tiveram, por exemplo, em Valais, apenas um poder limitado nas igrejas e só puderam intervir, diplomaticamente, recomendando às autoridades eclesiásticas o respeito das medidas sanitárias necessárias pela epidemia da gripe espanhola. Portanto, não é surpreendente encontrar no decreto do Conselho de Estado de 25 de outubro de 1918: “A autoridade eclesiástica prescreverá as medidas higiênicas necessárias em relação às igrejas e à celebração dos ofícios divinos“. Ao fazer isso, o clero tem a escolha das medidas que deseja aplicar sem que haja qualquer questão de represálias financeiras ou jurídicas. Como resultado, as diferentes cartas endereçadas às paróquias são mais como uma série de recomendações que buscam poupar a sensibilidade ao invés de uma decisão política firme. Uma segunda circular relacionada mais especificamente aos enterros estipula que o caixão deve ser levado diretamente ao cemitério para sepultamento e que a Missa do enterro deve ser celebrada apenas na presença dos familiares próximos e logo após o enterro. Mais uma vez, a correspondência termina com um sinal diplomático: “Esperamos que compreendam a necessidade dessas medidas destinadas a eliminar o máximo possível o perigo de contaminação e que possam cumprir minhas instruções”, que é muito diferente das cartas endereçadas aos diferentes setores que terminam com um lembrete das possíveis sanções se as medidas não forem seguidas. É interessante notar que essa mesma circular, datada de 20 de julho de 1918, foi encontrada nos arquivos episcopais de Sion, com uma pequena nota de rodapé, escrita à mão, adicionada: “Gostaríamos de receber instruções de M., o vigário, sobre esse assunto”. A autoridade política não basta nos lugares que se tem fé…” (9). Quando, cem anos mais tarde, os Estados apóstatas do século XXI decidem unilateralmente proibir ou restringir o exercício do culto, em nome da saúde, é óbvio que os fiéis católicos devem reagir sob a liderança de seus pastores, não como reacionários fanáticos, mas como pessoas prudentes e realistas, e devem tolerar (10) ou suportar pacientemente as decisões injustas, contrarias à prudência sobrenatural. Mas, em caso algum, eles estariam obrigados a um verdadeiro ato da virtude da obediência ao que continua sendo, na verdade, um abuso de poder.

8 – Tudo isso é explicado em razão de uma causa final. Deste ponto de vista, o poder da Igreja é, em relação aos chefes de Estado, como o poder de um cuidador em relação a um paramédico. O paramédico realiza a dosagem dos medicamentos tanto quanto necessário para a saúde do corpo, pela qual o cuidador é responsável. Da mesma forma, o chefe de Estado deve cuidar da boa ordem da sociedade, tanto quanto for necessário para a salvação das almas, pela qual a Igreja é responsável. Pois o homem deve buscar saúde, não a riqueza, apenas na medida em que isso for necessário – como diz Santo Inácio – para salvar sua alma: “Pois, que aproveita ao homem ganhar todo o mundo, se vier a perder a sua alma?” (Mt, XVI, 26). Qual é o sentido do homem obter a vitória sobre a epidemia se negligencia a santificação de sua alma, perdendo o hábito de ir à Missa no domingo? A liturgia de sempre da Igreja prevê uma Missa para os tempos da epidemia e as rúbricas ali dizem que esse tipo de Missa deve ser celebrado “com uma grande concorrência de pessoas“…

Pe. Jean-Michel Gleize, FSSPX

Notas:

(1) Leão XIII, Encíclica Immortale Dei, de 1 de novembro de 1885, ASS, t. XVIII (1885), págs. 163-164.
(2) Louis Billot, A Igreja. III – A Igreja e o Estado, Courrier de Rome, 2011.
(3) Louis Billot, op. cit. n°1183.
(4) A separação entre Igreja e Estado foi condenada pelo Papa São Pio X na Encíclica Vehementer nos, de 11 de fevereiro de 1906.
(5) Leão XIII, Encíclica Libertas, de 20 de junho de 1888, ASS, t. XX (1887), pág. 598
(6) Louis Billot, op. cit. n°1182.
(7) Mt, XVIII, 9.
(8) Mons. Athanasius Schneider, “Entrevista à Diane Montagna”, publicada no The Remnant e traduzido no Blog de Jeanne Smits, página de 28 de março de 2020.
(9) Laura Marino, La Grippe espagnole en Valais (1918-1919), tese apresentada na Faculdade de Biologia e Medicina da Universidade de Lausanne para obtenção do grau de doutor em medicina, 2014, págs. 182-183. Tese arquivada na Universidade de Lausanne, http://serval.unil.ch com a referência BIB_860E861187545.
(10) Isso explica o surgimento do regime de acordos, com a definição de certas questões ditas “mistas”. Cf. Billot, n ° 1247 et sq.

AdaptiveThemes