Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

8. As feridas da natureza

Capítulo oitavo

As feridas da natureza

 

Para exprimir as conseqüências devastadoras do pecado original, os Padres da Igreja têm uma fórmula, aceita por Santo Tomás e repetida desde então por todas as vozes católicas: pelo pecado de Adão, o homem foi privado dos dons gratuitos e ferido nos dons naturais (Spoliatus gratuitis, et vulneratus in naturalibus).

Por dons gratuitos entende-se a graça santificante e todo o cortejo de bens sobrenaturais por meio dos quais o homem foi feito filho de Deus, herdeiro do céu, irmão dos anjos, e imortal mesmo no seu corpo. Todos esses bens foram completamente perdidos em conseqüência do pecado.

Resta a natureza; ou seja, o homem composto de corpo e alma: ora estes bens, que nos restaram depois da queda, não são mais o que eram, não são mais o que deveriam ser segundo o plano divino. Eles foram feridos, e feridos de modo grave.

Essas feridas são quatro: a ignorância, a malícia, a fraqueza e a concupiscência.

A ignorância afeta a razão, que não está mais na ordem que lhe convém em relação à verdade. A malícia afeta a vontade, que não está mais ordenada segundo o bem. A fraqueza e a concupiscência afetam igualmente a vontade e paralisam suas forças em relação ao bem árduo que ela deve procurar e em relação ao prazer que ela deve moderar e regular.

Vê-se que a natureza está muito enferma.

Ora, há hoje muitos espíritos – excelentes, de resto – que, depois de reconhecer que a natureza perdeu os dons sobrenaturais, esforçam-se para nos fazer crer que ela guarda integralmente os dons naturais. As feridas que enumeramos para eles não contam, ou contam muito pouco; são nada ou quase nada.

Um dia, chegou-nos às mãos um escrito devoto onde, a propósito da Imaculada Concepção da Santíssima Virgem, se pretende dizer o que é o pecado original.  E assim o define: a perda da justiça original. Isto está bem, mas, em seguida, acrescenta: “Evitemos de ver aí uma deterioração da natureza!”

Como o Concílio de Trento assevera que pelo pecado original o homem se deteriorou segundo o corpo e segundo a alma, nos permitimos procurar o autor e perguntar-lhe como ele escapava do anátema lançado pelo Concílio. Ele nos respondeu: “Você não leu Suárez.” A resposta não nos pareceu suficiente, e insistimos. Mas o autor não tinha tempo para discutir conosco e, com palavras polidas, nos mandou passear.

Esta pequena história é a história de muita gente. Eles não querem olhar a verdade face a face; e se nos propomos a colocá-la diante de seus olhos, eles nos rejeitam.

Nós católicos não desprezamos a natureza. Distinguimos nela o que é de Deus, e bendizemos o Criador. Ao mesmo tempo, reconhecemos o que nela está ferido pelo pecado original, e suplicamos a cura a Jesus, nosso único Salvador.

AdaptiveThemes